quarta-feira, 22 de dezembro de 2004

O eterno Défice

O défice foi uma das grandes bandeiras do PSD aquando da campanha eleitoral de 2002. O PS, em 2001, não teve a preocupação de arranjar receitas extraordinárias e fez com que o País ficasse mal visto na UE e tivesse um processo.

O Governo PSD/PP, em 2002 e 2003, tendo défices reais acima dos 3%, sempre conseguiu, com recurso a receitas extraordinárias, conter o défice dentro dos limites exigidos. O défice real sempre foi superior a 3%, mas com as receitas extraordinárias conteve-o. Não é muito bom para o País, não acrescenta nada em termos de efeciência na utilização dos dinheiros públicos, mas foi útil para nos mantermos no clube dos bem comportados, dos que cumprem.

Nestes dois anos foram feitas algumas reformas de fundo, que mais tarde trarão benefícios. Sem um crescimento forte do PIB (acima de 2%), é impossível conter mais as despesas. O Governo nestes anos limitou-se a estancar a hemorragia. Mais era impossível.

O Governo não pode terminar funções deixando que o défice de 2004 ultrapasse os 3%. Custe o que custar. Porque é mau para a credibilidade dos dois partidos do Governo e porque é maus para a credibilidade nacional.

Talvez em 2006 já possamos viver sem recurso a receitas extraordinárias... se o próximo Governo não for mãos largas e não alimentar o famoso "monstro".
Na Senda de Melhores Políticos...

O meu amigo Tiago enviou-me este artigo e tive que o colocar aqui no blogue...


Na Senda de Melhores Políticos
Por PAULO AMARAL DE SOUSA, José Peres Jorge, Maria do Rosário Moreira, Rui Henrique Alves e Samuel Alves Pereira
Público, Domingo, 19 de Dezembro de 2004

O grito de alerta que Cavaco Silva difundiu na sociedade portuguesa teve ecos cujas ressonâncias ainda hoje se fazem sentir, pois, na verdade, cada um de nós, no retiro da sua meditação, já tinha visto que a qualidade dos actores políticos se abandona, regra geral, pelo precipício da decadência. O artigo de Cavaco deu voz pública a esta angústia geral. Porém, constatar a realidade de pouco vale, ou, valendo alguma coisa, que valha, ao menos, para induzir em nós uma disposição de combate: é preciso saltar desta letargia depressiva, atacar o problema com o pensamento e actuar em conformidade.

A primeira grande questão que deve responder-se é esta: porque temos assim tão maus políticos? A resposta é complexa: para uns, é a baixa remuneração dos cargos políticos, a qual tende a repelir os bons políticos (porque melhor fariam dedicando-se a profissões mais lucrativas), deixando flanco aberto para o rebanho imenso dos maus políticos; para outros, é a superabundância da mediocridade, a qual grassando na classe política, não a prestigia e, por isso, põe a milhas mesmo aqueles que, menos apaixonados pelo dinheiro, se devotariam a tal actividade unicamente pelo prestígio daí decorrente; outras razões se poderiam aduzir ainda, mas, porventura, menos relevantes.

Para nós, como para John Galbraith - esse grande economista de Harvard que tão profundamente estudou o Poder -, existe uma mais preponderante fonte de poder: a organização. É que ainda nenhum estudo ou inquérito foi feito para que se apurasse o número e a qualidade de todos aqueles que tomam (ou tomariam) a iniciativa individual de se aproximar da política e que são, pura, simples e literalmente, esmagados nas suas mais nobres pretensões por essas gigantescas máquinas que são os aparelhos partidários. Como podem aqueles jovens, os mais capacitados, os mais sonhadores, os mais tocados pela vocação política - que os há ainda muitos - combater sozinhos a barragem intransponível que enfrentam nas portadas dos partidos? Como podem eles se levam como únicos aliados os seus ideais? O pé do elefante é demasiado pesado mesmo para a mais determinada formiga... Por vezes apelam à participação destes sonhadores, sim, mas apenas para fazer número, para fazer de figurantes, em jantares e em festividades do partido...

É aos líderes que compete fazer cair estas barreiras. Têm essa responsabilidade patriótica, esse dever cívico. No entanto, no discurso político oficial e oficioso destes não se lobriga o menor vislumbre de intenção ou de planos de promoção da qualidade no seio das organizações que dirigem. Se eles não tomam a iniciativa de facilitar o acesso de gente de qualidade aos partidos, quem mais a poderá tomar? Os melhores bem que podem acorrer todos aos partidos... mas de lá todos vêm recambiados, pois que não vão em grupo organizado, ou sequer em grupo. Se estivessem organizados, constituiriam uma força política e o problema de que padece a nação portuguesa não existiria.

Talvez o escrutínio público pressione os líderes a deixar vingar os mais competentes nos partidos. Por isso, aqui fica uma palavra de repto à comunicação social: perguntem aos dirigentes partidários, todos os dias, todos os meses, todos os anos, nas televisões, nas rádios, nos jornais, pelas medidas que tomaram, nesse dia, nesse mês, nesse ano, para promover a vinda de novos valores para a vida política.

Docentes da Faculdade de Economia do Porto

segunda-feira, 6 de dezembro de 2004

Pinto da Costa e Al Capone

Al Capone vendia bebidas alcoólicas nos EUA na altura da Lei Seca. Era terminantemente proíbido vender álcool e a polícia andava em cima dos infractores.
Al Capone fez fortuna com o álcool e nunca foi apanhado nessa actividade ilegal. Foi preso por fuga aos impostos.

Porque será que associei esta estória a Pinto da Costa?
A coligação PSD/PP

Por princípio sou contra a coligação pré-eleitoral. Neste momento, penso que é a única saída possível.
E admiro a forma como Paulo Portas se está a portar, sendo ele a decidir se quer ou não quer.... como ficará Santana se Portas disser que não quer ir com ele a votos?!!!
Grande artista...

sexta-feira, 3 de dezembro de 2004

Pinto da Costa detido para interrogatório

Finalmente... o Papa a contas com a justiça ... com um atraso de vinte anos!
As trapalhadas de Sampaio

Primeiro anuncia que vai dissolver a Assembleia da República, caindo o Governo, e convocar eleições.
Os motivos são vários, entre eles o facto de o orçamento ser contestado por algumas forças sociais.

Depois, faz saber que o parlamento e o governo estão em plenitude de funções, chegando até a dar posse a dois secretários de estado. E, pelo que se sabe, só vai dissolver o parlamento após a aprovação do orçamento (aquele que era contestado por muitos), não dando no entanto a garantia da sua promulgação.

E a Assembleia da República, "ferida de morte" como disse Mota Amaral, vai andar a aprovar um orçamento de um governo que está prestes a cair... É como se uma pessoa estivesse à beira da morte e lhe fossemos vender lindas viagens de cruzeiro...

Entretanto, a bolsa de valores cai todos os dias fruto da instabilidade política.... provocada por Sampaio!

Se queria que o orçamento fosse aprovado, porque não deixou que fosse aprovado na AR e depois logo a dissolvia?
Porque não convocou o Conselho de Estado para se pronunciar sobre a dissolução do Parlamento, indo agora para a reunião com a decisão já tomada?

Anuncia a dissolução do Parlamento não se sabe para quando, desestabilizando o País e prejudicando a economia, para quê?
Anuncia a dissolução do Parlamento sem explicar as razões ao País, permitindo a especulação, para quê?

Se fosse Governo recusava-me a aprovar o orçamento e entregava o "menino" nas mãos do PR. Criaste a confusão, agora desenrasca-te!

Dr. Sampaio, analise os prejuízos que causou ao País e demita-se!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2004

Carta aberta ao Sr. Presidente da República

Exmo. Sr. Presidente da República Dr. Jorge Sampaio

Quando em Julho passado o Sr. empossou o Dr. Pedro Santana Lopes ficou também responsável pelo futuro da governação.
Passados quatro meses, que é um prazo exíguo para qualquer análise intelectualmente honesta sobre a governação do País, vem V. Exa. dar o dito pelo não dito. Terá agora de actuar em conformidade.
O País não se pode dar ao luxo de ter a sua primeira figura a funcionar de forma inconstante e errónea, qual cata-vento, causando sérios prejuízos a Portugal e aos Portugueses.
Com esta atitude errática, V. Exa. entrou na galeria dos Presidentes da República de esquerda cujo único objectivo é deixar o PS no poder quando terminam o mandato. O Dr. Soares foi o primeiro.
V. Exa. conseguiu ser o único Presidente da República a dissolver o parlamento quando existe uma maioria estável no hemiciclo.
Compreende-se agora que o seu apoio ao Dr. Pedro Santana Lopes não foi sincero. V. Exa. não poderia ficar na história como uma pessoa de esquerda que não ajudou os seus. Agora, V. Exa. já não tem esta dívida.
Demita-se Sr. Presidente e, se puder, poupe-nos a mais um discurso barroco.

Com os Melhores Cumprimentos,

João Nuno Neves

envie também um fax ao PR para o número 21-3614611

sábado, 27 de novembro de 2004

Políticos competentes vs. políticos incompetentes-2

Penso que o artigo do Prof. Cavaco é uma autêntica pedrada no charco e vem demonstrar que o reu vai nu.

A pergunta para referendar é um aborto político!
"Concorda com a carta de direitos fundamentais, a regra das votações por maioria qualificada e o novo quadro institucional da União Europeia nos termos constantes da Constituição para a Europa?"

Esta pergunta só pode ter sido feita de forma a fazer com que as pessoas não votem e, caso o façam, não o façam em consciência.

Esta questão não foi feita por politicos competentes!

O cidadão vulgar fala mal dos partidos. Que só usam a política para se encherem. Que são só jogadas. Enfim, o normal.

E quando se convida alguém para participar activamente na política, a reacção é idêntica a convidar alguém para ir lutar na lama!
As pessoas estão descrentes na política e estão amorfas em relação a tudo o resto. Podiam-se interessar pela intervenção cívica, pela intervenção cultural ou desportiva. NADA!
Quanto mais não vale o sofazito a seguir ao trabalho!

As elites não se interessam. Penso que os ordenados dos políticos deveriam ser todos duplicados, mas mesmo assim quem para lá fosse seria pelo ordenado, não pelo orgulho de contribuir para a coisa pública!

E as democracias internas dos partidos também são uma coisa gira...

Obrigado Professor pelo excelente alerta!
Políticos competentes vs. políticos incompetentes

Vou transcrever na integra o artigo publicado pelo Prof. Cavaco Silva no Expresso de hoje:

Os políticos e a lei de Gresham

NOS anos recentes, muito se tem falado de uma certa degradação da qualidade dos agentes políticos em Portugal, da sua credibilidade, competência e capacidade para conduzir os destinos do país. Independentemente de ser de facto assim, o certo é que há hoje uma forte percepção da parte da opinião pública de que, em geral, a qualidade dos agentes políticos tem vindo a baixar.

Para isso tem contribuído, entre outros factores, o afastamento crescente das elites profissionais, dos quadros técnicos qualificados da vida político-partidária activa. Os políticos profissionais de valor, com uma carreira seriamente estruturada, ficam, assim, mais mal acompanhados.

Num documento da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES), de Fevereiro de 2002, falava-se da «centrifugação de alguns dos melhores valores do pessoal político e da gestão superior do Estado e incapacidade de atrair novos valores, nomeadamente entre os mais jovens» como um dos sinais preocupantes da deterioração do nosso sistema político.

Três razões podem ser avançadas para explicar a atitude de afastamento das elites profissionais da vida político-partidária.

Por um lado, a sua convicção de que, fazendo Portugal parte da União Europeia, não há risco de retrocesso do regime democrático de tipo ocidental em que vivemos.
Por outro, o convencimento das elites de que a participação activa na actividade política tem custos elevados - custos materiais e de exposição pública - e de que podem influenciar as decisões políticas de outra forma - através de contactos pessoais, associações ou corporações de interesses.

Mas talvez a razão mais forte do afastamento das elites resida na ideia de que, nos dias de hoje, o mercado político-partidário não é concorrencial e transparente, de que existem barreiras à entrada de novos actores, de que não são os melhores que vencem porque os aparelhos partidários instalados e os oportunistas demagógicos não olham a meios para garantir a sua sobrevivência nas esferas do poder.

A ser assim, a lei da economia, conhecida pela lei de Gresham, poderia ser transposta para a vida partidária portuguesa com o seguinte enunciado: os agentes políticos incompetentes afastam os competentes. Segundo a lei de Gresham a má moeda expulsa a boa moeda.

O afastamento das elites profissionais (e também das elites culturais) da vida político-partidária, ao contribuir para a deterioração da qualidade dos agentes políticos, prejudica a credibilidade das instituições democráticas e a ética de serviço público, aumenta os erros dos decisores políticos face aos objectivos de bem-estar social definidos e favorece os comportamentos políticos em função de interesses particulares ou partidários, em lugar do interesse nacional. Daqui resulta menos desenvolvimento e modernização do país, mais injustiças sociais e maior desencanto dos cidadãos em relação à democracia.

Já em Outubro de 2001, num documento divulgado pela Associação Empresarial de Portugal, se manifestava preocupação pelos custos da «mediocridade na actividade política».

Sendo assim, uma questão que tenderá a assumir relevância crescente para a qualidade da nossa democracia e para o desenvolvimento e modernização do país será a de como trazer de volta à vida político-partidária pessoas qualificadas, dispostas a servir honestamente a comunidade. Nesse sentido, interessaria desenvolver acções visando o reforço da transparência e democraticidade na actividade partidária, o aprofundamento da educação para a cidadania activa e a melhoria da informação sobre a actuação dos agentes políticos. Tal como interessaria promover debates sérios e aprofundados sobre as políticas públicas e ter a coragem de aumentar a remuneração dos agentes políticos, por forma a atrair quadros de reconhecido valor e que vivem dos rendimentos do trabalho.

Se nada for feito, é provável que a situação continue a degradar-se e só se inverta quando se tornar claro que o país se aproxima de uma crise grave. Então, algumas elites poderão chegar à conclusão de que está em causa o seu próprio futuro e dos seus familiares e que os custos de alheamento da actividade político-partidária são maiores dos que os custos de participação. Mesmo assim, haverá que contar com a resistência à mudança dos aparelhos partidários instalados, o que pode levar ao arrastamento da situação.

Do ponto de vista nacional, seria desejável que o país não descesse até ao ponto de crise e que a inversão da tendência ocorresse o mais cedo possível.

Face aos sinais preocupantes que têm vindo a emergir nos mais variados domínios, do sistema educativo ao sistema de justiça, da administração pública à economia, penso que é chegado o momento de difundir na sociedade portuguesa um grito de alarme sobre as consequências da tendência para a degradação da qualidade dos agentes políticos, de modo a que os portugueses adoptem uma atitude mais participativa e exigente nas suas escolhas eleitorais e as elites profissionais acordem e saiam da posição, aparentemente cómoda, de críticos da mediocridade dos políticos e das suas decisões e aceitem contribuir para a regeneração da actividade política.

Por interesse próprio e também por dever patriótico, cabe às elites profissionais contribuírem para afastar da vida partidária portuguesa a sugestão da lei de Gresham, isto é, contribuírem para que os políticos competentes possam afastar os incompetentes.

Recordo que Portugal, desde 2001, tem vindo sistematicamente a afastar-se do nível de desenvolvimento da vizinha Espanha e da média da Europa dos quinze e que esta tendência irá manter-se no futuro, de acordo com as previsões para 2005-06 recentemente publicadas pela Comissão Europeia. Até quando?

Aníbal Cavaco Silva
O novo PSD Algarve

Glória aos vencedores, honra aos vencidos.

O Dr. Mendes Bota terá que conseguir unir o partido em torno dos grandes desafios que vai ter pela frente, em especial das eleições autarquicas.
Uma derrota nas autarquicas dificulta a prestação do Prof. Cavaco Silva nas presidenciais e do Dr. Santana Lopes nas legislativas.

As autarquicas só se ganham com o partido unido, como todos os dirigentes e militantes a remarem para o mesmo lado.

Aguardo pelos primeiros passos neste sentido e espero pela primeira Assembleia Distrital...

segunda-feira, 22 de novembro de 2004

As eleições para o PSD Algarve-parte II

Não gostei de ataques cobardes, feitos de forma anónima, a diversos companheiros (Nuno Silva, Carlos Martins, etc).

Não gostei que tivesse havido pouca discussão política e muita discussão de pessoas.

Não gostei das intrigas, mexericos e outros que tal que se puderam ler no almariado.

Gostei da postura do Fernando Viegas no seu almariado, retirou todos os comentários anónimos que enxovalhavam terceiros e apelou à dignidade dos "comentadores de posts".

Gostei da agitação que estas eleições deu ao partido.

Espero tempos de união e não de exclusão.
As eleições para o PSD Algarve

Apoiei a lista B e, como tal, perdi.

Parabéns a todos os membros da Lista A, encabeçada pelo Dr. Mendes Bota, pela sua vitória.

No entanto, não compreendi o discurso de vitória.
Segundo o Região-Sul:
"Mendes Bota não deixou de enviar "uma palavra de simpatia" aos "grandes derrotados" deste sufrágio, que citou, "por ordem decrescente de importância: o secretário-geral do PSD, Miguel Relvas, o vice-presidente, José Luís Arnaut, Carlos Martins, Patinha Antão, Helder Martins e, naturalmente, Isabel Soares". Estes "pesos-pesados" foram "responsáveis pela estratégia" da Lista B, "deram a cara, subscreveram cartas e manifestos aos militantes, assumiram posições inequívocas".

"Sentimos todos na pele o aparelho do partido a lutar contra nós", disse o político "laranja", deixando no ar "uma interminável série de episódios" que não quis lembrar, com origem em "dirigentes nacionais e membros do Governo", que, no seu entender, "violaram alguns deveres de neutralidade". Mas, sublinhou, Santana Lopes - alvo de fortes elogios -, "não teve nada que ver com actividades ou iniciativas por parte de pessoas externas ao Algarve que procuraram influenciar o resultado desta eleição".


Penso que o partido no dia seguinte deveria estar unido para combater os outros partidos políticos. Não a espicaçar quem perdeu (esquencendo-se cirutgicamente de alguns...) e, muito menos, o Dr. Miguel Relvas e o Dr. Arnaut.

Que estranha forma de tentar a união...

domingo, 15 de agosto de 2004

Ainda a ponte para a Ilha de Faro: o Referendo

LNEC recomendou construção de uma nova ponte
José Vitorino admite fazer um referendo para rever o acesso à Praia de Faro


O presidente da Câmara Municipal de Faro "descobriu ontem" um relatório técnico do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), com data de Março de 2001, que considera a ponte de acesso à Praia de Faro "em elevado estado de degradação" e recomenda a construção de uma nova.

José Vitorino resolveu actuar e, ontem mesmo, enviou um ofício ao comandante do Grupo Territorial da GNR de Faro, onde solicita a implementação de uma deliberação do anterior executivo camarário, de 27 de Março de 2001, - tanto quanto se sabe, nunca cumprida - que proíbe a paragem, "a qualquer título", de automóveis no tabuleiro da ponte e estabelece um "espaçamento mínimo de circulação de 30 metros". De acordo com o LNEC, a ponte tem cerca de 160 metros. Se os militares da GNR tomarem à letra esta deliberação, só poderão circular no tabuleiro da ponte cinco veículos de cada vez. Questionado sobre os problemas que a medida poderá provocar no já difícil e moroso acesso à Praia de Faro, Vitorino justificou-se dizendo que se tratava do "único instrumento disponível para aliviar a pressão sobre o tabuleiro da ponte e assim garantir a segurança das pessoas".

Ainda segundo o parecer do LNEC, "é indispensável manter a actual limitação de circulação a trânsito com peso inferior a 3,5 toneladas". O relatório acrescenta que durante o período da inspecção (26 de Fevereiro de 2001) "este limite não era respeitado, até porque dificulta o abastecimento aos estabelecimentos existentes na Ilha e inviabiliza a passagem de um autotanque do serviço de incêndios".

Hoje, em conferência de imprensa, José Vitorino revelou ter solicitado ao LNEC, com carácter de "urgência, uma nova inspecção". O presidente da CMF pediu também, "desde já", sugestões e recomendações adicionais para garantir a segurança no atravessamento da ponte.

Na sequência deste 'caso', a autarquia pediu à Delegação do Sul do Instituto Portuário dos Transportes Marítimos, "mais uma vez e com uma justificação reforçada, a maior urgência" na reactivação da "ligação por barco, entre a cidade de Faro e a Ilha".

Acesso futuro

Para José Vitorino, estas foram, para já, as diligências possíveis, mas a decisão final sobre o acesso à Ilha de Faro continua em aberto. Há várias hipóteses, mas o presidente da CMF deixou uma garantia: as grandes questões, como a construção de uma nova ponte, ou a criação de parques de estacionamento nas imediações da praia, fazendo-se depois o acesso à Ilha de Faro em transportes públicos, serão sempre decididas "após a audição da população". Segundo José Vitorino, há duas formas de ouvir os farenses: "através de um inquérito, ou, no limite, fazendo-se um referendo".

Rodrigo Burnay

Região-Sul | 13 de Agosto de 2004 | 15:46


Concordo com o referendo. Havendo hipótese de referendar questões locais, penso que este assunto é adequado para sujeitar a referendo.
Sendo a Ilha de Faro uma ilha, ficará bastante melhor se não estiver presa ao continente. As ilhas mexem-se e esta não se pode movimentar porque está presa ao continente através de uma ponte.

Penso que não é necessária uma nova ponte. Basta que a actual, possivelmente depois de algumas reparações que a consolidem mais, sirva só para trânsito restrito (bombeiros, policia, comerciantes) e que as pessoas deixem o carro antes da ponte e depois vão andando.

sábado, 14 de agosto de 2004

Problemas na Ponte para a Ilha de Faro

Câmara Adopta Medidas para Aliviar Pressão em Ponte de Faro
Público, Sábado, 14 de Agosto de 2004

O presidente da Câmara de Faro, José Vitorino, anunciou ontem que na ponte da Ilha de Faro o espaço entre veículos não poderá ser inferior a 30 metros para diminuir a pressão no tabuleiro.

A autarquia vai também solicitar à GNR que acompanhe mais de perto o tráfego da ponte, proibindo a circulação de veículos com peso superior a 3,5 toneladas. Não será também permitida a paragem de veículos sobre o tabuleiro. José Vitorino, citado pela Lusa, reconheceu que a obrigatoriedade de aumento de espaço entre veículos poderá fazer crescer as já longas filas de acesso à ilha, mas sustentou que "a segurança não pode ser sacrificada em nome de qualquer outra comodidade".

As medidas, que segundo o autarca serão accionadas "de imediato", tinham sido recomendadas, em Março de 2001, pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e deliberadas na mesma altura pela autarquia.

O LNEC requeria ainda que a utilização da ponte de acesso à ilha fosse "condicionada e com carácter provisório" e que "na perspectiva do acesso rodoviário à Praia de Faro seria necessária uma nova ponte". Reconhecendo que o relatório do LNEC lhe causa alguma inquietude, o presidente da Câmara de Faro assevera que não há motivos para alarmismos. "Não há anomalias graves de registo, nem grandes fracturas" e "todos os pilares estão cravados no solo", afirmou. A ponte de acesso à Ilha de Faro tem 160 metros de cumprimento, o tabuleiro da ponte mede quatro metros de largura e contam-se 142 pilares fixados no solo.



Por mim cortava o acesso à praia para os carros e apenas permitia que as pessoas atravessassem a ponte.
E se possível, destruia todas as casas que lá estão. Deixava um parque de campismo (um novo....) maior do que o actual, alguns restaurantes, cafés e seupermercados. O resto ia tudo abaixo.
Mas isto nunca irá acontecer. Primeiro a ilha afunda... depois logo pensam nestas coisas....

sexta-feira, 13 de agosto de 2004

As explicações para o desastre

José Romão (JR)
JR-É evidente que quando se perde é porque houve factores que não correram bem.
Factores que não correram bem???? A chamada desgraça...

JR-Foi um jogo em que cometemos alguns erros, temos de reconhecer.
Alguns??!!!! Dezenas, centenas?

JR-O adversário também esteve bem, mas não podemos dizer que nos surpreendeu. Nós estávamos à espera deste Iraque. Estudámos bem o adversário mas isso nem sempre chega.
Se estava à espera deste Iraque então ainda é pior do que pensava.

JR-A nossa selecção não entrou com o pé direito e isso tem de ser admitido.
A nossa selecção esteve lá?

JR-A história do jogo diz que o Iraque fez uma boa transposição para o contra-ataque e o ataque rápido, no fundo no seguimento do que fizera na Taça da Ásia.
Transposição? será que este tipo já foi ao dicionário para entender o que diz?

transposição - substantivo feminino
· acto ou efeito de transpor (verbo transitivo-passar além ou por cima de; saltar; galgar; ultrapassar; exceder; alterar a ordem de)
· troca de dois objectos entre si;
· alteração da ordem;
· transferência;

Os Iraquianos saltavam, galgavam ou excediam para o ataque? Trocavam objectos? Alteravam a ordem? Faziam transferências?

Que bronco!

JR-Causou-nos alguns problemas em termos da sua estrutura, o que, aliado aos nossos erros, resultou nesta derrota.
Alguns??? Problema na estrutura? QUe língua é esta??!!

JR-Houve uma falta de inspiração de Portugal. No intervalo fizemos as correcções que entendíamos pela leitura do jogo. Mas é verdade é que ficámos logo com menos um jogador e aí as coisas alteraram-se totalmente. Ainda assim, lutámos até ao fim, demonstrando carácter."
O que importa é ter carácter.... atira-te ao mar, JR!

Esperemos para ver a parte dois desta saga olímpica...Domingo.... Contra Marrocos...
Olímpica Vergonha

É uma vergonha perder 4-2 com o Iraque em futebol. Um país em guerra.
A nossa exibição foi um desastre. Penso que apenas se safaram o Moreira, Meira, Ronaldo e Danny. Bruno Alves, Jorge Ribeiro, Frechaut, Hugo Viana e Boa-Morte foram uma desgraça terrível...
A equipa de arbitragem roubou-nos um penalti e fez borrada o jogo todo. Foras de jogo não acertaram quase nenhum. Os árbitros de países com futebol menos competitivo deverão enviar árbitros para estas competições apenas se tiverem nível (tipo conseguirem os minímos olímpicos como os atletas). Assim, estragam a festa.
Comportamento anti-desportivo da nossa equipa. Ronaldo deveria ter sido expulso e Boa-Morte, com a sua atitude, prejudicou muito a selecção.
A Grécia fica na Europa do Sul. Não há desculpa de grandes fusos horários, nem de um clima muito diferente do nosso...
Entrámos como no Europeu, como vedetas que facilmente iriam ganhar a um País em guerra.
A preparação para estes Jogos Olímpicos, devido às pressões dos clubes e ao facto de a FPF ser fraca e o Madail um banana, foi muito curta. Treinaram para ai uma semana e lá foram eles em excursão.
Estou ansioso por ir ler os jornais desportivos e ver os comentários banais e ocos que certamente justificarão a derrota.

quinta-feira, 12 de agosto de 2004

Editorial do jornal Público de Hoje

O Algarve
Quinta-feira, 12 de Agosto de 2004

O Algarve era uma jóia, hoje é quase todo ele um pesadelo a que só se escapa fechado nalguns, raros, paraísos protegidos

Há sensivelmente vinte anos fiz para o "Expresso" uma reportagem com o seguinte título: "O Algarve à beira da catástrofe". No sábado em que saiu fui insultado pelo então governador civil, de seu nome Cabrita Neto.

De que é que falava esse artigo? Do excesso de ocupação do Algarve. Das praias poluídas onde era perigoso tomar banho. Da megalomania dos projectos de construção que esperavam aprovação. Dos riscos da Nacional 125. Da aposta exclusiva no binómio sol e praia, sem que outras alternativas fossem oferecidas. Das arribas que ameaçam ruir e das construções em dunas que poderiam ser submersas pelo mar.

Nestes vinte anos quase tudo piorou. Algumas praias, apesar dos muitos milhões que se gastou em tratamento de esgotos, continuam a estar poluídas, como a da Quarteira. Os projectos que aguardavam luz verde para avançar, avançaram quase todos e outros se lhes sucederam. Os índices de ocupação tornaram-se irrespiráveis em quase todo o litoral. E os preços subiram e continuam a subir. Aqui e além há excepções e até alguns pequenos paraísos, as vias de comunicação melhoraram e já há restaurantes que oferecem qualidade e não apenas preços altos, mas a receita fundamental continua a ser a mesma: sol e praia, apimentada com algum golfe e mais umas marinas.

Por isso não me surpreende aquilo de que hoje se queixa o governador civil de então, entretanto transfigurado em líder do sector hoteleiro: as coisas estão mal, os índices de ocupação são baixos, há indicadores de... catástrofe anunciada.

Infelizmente quem que me atacava há vinte anos dá-me hoje razão - mas sem reconhecer que a catástrofe tem responsáveis, entre os quais ele próprio. A região encheu-se de hotéis, alguns deles de luxo, esperando por turistas endinheirados, mas quase só recebe vagas de ingleses tatuados que partem mal ganham pele cor de lagosta. Nos hotéis, onde os índices de ocupação baixam, estão mais portugueses e menos estrangeiros. Serve-se mal na maior parte dos estabelecimentos de restauração e abusa-se nos preços. A ganância ainda é a regra, o desordenamento territorial a imagem de marca e os serviços insuficientes (designadamente os de saúde, com crónicos problemas nos hospitais da região).

Por outras palavras: o Algarve não percebeu que, com a mudança dos destinos turísticos e com o aparecimento de viajantes mais exigentes, o seu sol abundante e a suas bonitas praias não chegavam. Que há ofertas iguais ou melhores em destinos tropicais por preços idênticos ou até mais acessíveis. E como não percebeu nem resistiu à tentação de ocupar cada milímetro de solo para construir, o Algarve está a perder os turistas estrangeiros e a ficar com os nacionais, sobretudo os que se empenharam numa casinha ou num apartamento. E contam os tostões.

Há vinte anos, nessa reportagem, os especialistas apenas identificavam algumas áreas onde os exageros já tinham levado ao ponto de não-retorno, à impossível requalificação, como Quarteira, Armação de Pêra ou a Praia da Rocha. Hoje estou convencido que concordariam em que toda a região, apesar das suas imensas potencialidades, já as desbaratou, e que se arrisca a viver cada ano pior do que o anterior, com mais queixas, menos turistas e menos qualidade. Por culpa própria e dos seus autarcas e investidores.

José Manuel Fernandes

Fonte: Público

Quando estes artigos são publicados em jornais de grande tiragem têm sempre impacto pois é o País todo que está a ler.
Infelizmente penso que tem razão e que os nossos líderes regionais (políticos, empresariais, associativos, etc) não tiveram visão nenhuma e deixaram-se influenciar pelo curto prazo e, alguns, talvez por outras coisitas...

quarta-feira, 11 de agosto de 2004

SLB-1 Anderlecht-0 : Muita parra, pouca uva

Típico jogo de início de época, com muita entrega e pouco futebol.
O Benfica dominou a maior parte do jogo, mas até podia ter perdido o jogo...
Enfim, na Bélgica, com mais dias de treino e mais um jogo pelo meio deverá correr melhor. Até porque o Benfica se dá bem em contra-ataque.
No Público de hoje....

"José Vitorino, antigo vice-presidente da bancada parlamentar do CDS-PP, lembrou que" no jornal Público.

O José Vitorino chegou a se candidato pelas listas do CDS a deputado, mas não foi eleito. Daí a ser vice da bancada parlamentar...

Grande prego jornalista Maria José Oliveira!

sexta-feira, 6 de agosto de 2004

Largo de S. Luís vai ser arranjado

Autarquia vai criar "área edificada afecta a actividades económicas" para "assegurar a gestão" do estádio do Farense

A Câmara Municipal de Faro vai requalificar o Largo de S. Luís, naquela cidade.

De acordo com Projecto Urbano aprovado pela autarquia, vão ser criados "lugares de estacionamento ao nível do subsolo" e a fachada do estádio de futebol, confinante com o Largo, vai ser arranjada, "promovendo a criação de uma área edificada afecta a actividades económicas, por forma a assegurar, de forma sustentada, a gestão e o funcionamento do complexo desportivo".

O executivo promete ainda "promover a requalificação do espaço público devolvendo-o aos peões e dignificando a Igreja de S. Luís".

Outra das propostas do Projecto Urbano consiste em "harmonizar as cérceas praticadas nas frentes urbanas confinantes com Largo de S. Luís, por forma a reequilibrar as volumetrias e contribuir para a melhoria da imagem do conjunto".

A Câmara de Faro vai ainda "reordenar a circulação automóvel no Largo" e "vincular os particulares a regras mais pormenorizadas e mais adequadas ao contexto urbano do sítio, em complemento das definições do Plano Director Municipal".

O Projecto aprovado pela autarquia esteve em "Discussão Pública" durante 60 dias e será agora enviado para a Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano.

RB/RS

6 de Agosto de 2004 | 14:47

in Região-Sul

Desta forma o SC Farense irá poder efectuar alguma construção e criar um parque de estacionamento debaixo do relvado.
Mais uma medida da autarquia para ver se o clube se consegue reequilibrar financeiramente.
Pequenos pormenores no Portugal-Paraguai

Tudo bem que o Algarve é uma região turística, com muitos estrangeiros, mas penso que deveremos contnuar a escrever em Português...

Portugal-5 Paraguay-0 mostrava o placard no final do jogo.... E que tal Paraguai?

IN e OUT: sempre que havia uma substituição... proponho Entra e Sai ou Entrada e Saida.

No painel do estádio faltavam algumas fotos dos jogadores Portugueses. Numa rápida pesquisa na net conseguiam-nas....

Contei perto do relvado 40 seguranças!!! Somando mais os restantes que estavam nas entradas e no "miolo" do estádio deveriam ser uns 60. Mais uns cinquenta policias que estavam na parte de fora. Tanta segurança para um jogo particular com o Paraguai?!!! Era um jogo de elevado risco?

Este modelo do Euro-2004 serviu para .. o Euro! Para a nossa realidade é excessivo do ponto de vista do risco real e do ponto de vista dos custos...
Com bilhetes a 10 euros, imaginemos que houve 5.000 pagantes. Receita de bilheteira igual a 50.000 euros. De quanto terá sido o prejuizo?

Refira-se a fraca divulgação do jogo a cargo da Associação de Futebol do Algarve.

Acabei de ver um notícia no Jornal Record:

UMA ÚNICA BILHETEIRA ABERTA
Longa fila gera grande revolta

Cerca de duas mil pessoas abandonaram ontem a extensa fila
que se formou junto à única (!) bilheteira aberta no Estádio Algarve, face à impossibilidade de, em tempo útil, acederem ao interior do recinto, com os mais resistentes a entrarem... ao intervalo.

A situação, de todo inexplicável, levou mesmo à revolta de alguns dos interessados em comprar ingressos. "É um escândalo! Depois do Euro'2004 voltamos à pequenez de sempre... Para a bilheteira só há um funcionário mas seguranças são às dezenas...", lamentava-se Carlos Martins, de Lisboa, em férias no Algarve.

Data: Quinta-Feira, 5 de Agosto de 2004 02:36:00

De quem é a responsabilidade?
Portugal-Paraguai

Uma estória divertida: fui ver o Portugal-Paraguai. Como os parques estavam cheios e o carro teria que ficar muito longe do estádio, o meu pai tentou pôr o carro num parque mais parto, mas que estava guardado por seguranças. O segurança aproximou-se com cara de mau. E eu disse-lhe: "será que dava para pôr o carro ai nesse parque... é que estou de canadianas." Viu a canadiana e respondeu de pronto: Sim, é deficiente pode estacionar!!!

Um gajo com uma canadiana é...deficente!!!!
Unidade de Radioterapia o Algarve

Segundo o Comunicado do Conselho de Ministros de 30 de Julho de 2004, a unidade de radioterapia de Faro irá entrar em funcionamento no 1.º trimestre de 2005.

Eis um acontecimento de extrema importância para o Algarve.

quarta-feira, 28 de julho de 2004

A parte gira de estar de doente/de baixa

Infelizmente tenho que estar em casa mais quase duas semanas devido a uma artroscopia que fiz (aliás, que me fizeram...)ao joelho.

Tirando a parte chata que é andar de muletas, tomar banho ser um filme de contorcionismo e a pessoa se sentir um pouco inútil, também há partes giras... ou, pelo menos, reconfortantes.

A namorada, os Pais e a irmã tratam-nos muito bem. Aquelas coisas chatas que temos sempre que fazer.... estamos temporariamente dispensados de as fazer...

As avós, tios e primos telefonam, os amigos enviam SMS's, os colegas de trabalho ligam ou aparecem, os chefes também apitam, enfim, é uma sensação simpática.

O meu obrigado a todos. Até à sardinhada...
Apresentação do programa de Governo

Penso que o Governo se portou bem. Com o tempo que tiveram para preparar tudo, melhor seria difícil.
Santana sente-se melhor a improvisar do que a ler. Só que um programa de Governo são uma série de objectivos a atingir, algo sempre fastidioso mas necessário, e que dá pouco espaço para o improviso.

Santana sabe que esta é a única chance que vai ter de Governar. Sabe que os seus inimigos não lhe vão perdoar o falhanço. Ele sabe que não pode falhar.

Penso que uma grande capacidade que ele tem é a de se rodear de boas equipas e de as gerir acertadamente.
Espero que consiga.

terça-feira, 27 de julho de 2004

CM Olhão quer Sec. Estado do Turismo

Li no ASUL e depois fui ver ao site da Câmara.

Confirma-se!

Que ligação tem a Olhão ao Turismo?
No site escrevem: "Nos últimos anos, o Município de Olhão tem desenvolvido uma estratégia de crescimento baseada na actividade turística, atraindo grandes investidores nesta área"

Olhão quer qualquer balcãozinho da Administração Central no seu Concelho, seja ele de que actividade for...

A Sec. Estado fica bem em Faro, obrigado!
De novo os incêndios

Penso que as palavras já estão gastas.
As imagens mostram-nos um País entre o laranja e o vermelho.
Pessoas humildes a preferirem morrer do que sentirem a perda da conquista de toda uma vida. E a sofrerem...
Bombeiros fora-de-série, dando tudo para combaterem as chamas.

Para já é preciso dar o tudo por tudo para combater o fogo.
No final teremos que analisar o que correu mal, depois de já ter corrido muito mal no ano passado.
Voltei..

Correu tudo bem e agora estou de baixa à espera que o joelho fique OK.

quinta-feira, 22 de julho de 2004

Amanhã vou ser operado

Coisita sem importância, uma artroscopia ao joelho esquerdo.
Devo ficar longe da net uns diazitos...

Depois volto.
Ainda me falta ter um filho, plantar uma árvores e escrever um livro.

quarta-feira, 21 de julho de 2004

Dois Secretários de Estado Algarvios no novo Governo

Carlos Martins - secretário de Estado do Turismo

Mário Patinha Antão - secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde

Parabéns e votos de bom trabalho.

O Algarve aumentou um secretário de Estado... resta saber se Carlos Martins vem morar para Faro...
Farense na 3ª Divisão, série F

Segundo o Jornal Record o Farense vai mesmo particpar na 3ª divisão.

"Farense vai participar na Série F da III Divisão, embora a SAD ainda esteja impedida de inscrever jogadores (dívidas na ordem dos 500 mil euros), problema que os dirigentes tentarão resolver no mais breve espaço de tempo, sendo possível (como na época passada) o arranque com a formação de juniores. A equipa técnica que concluiu a última temporada, constituída por Rui Eugénio, Joaquim Sequeira e Antero Afonso, vai continuar, os jogadores Carlos Costa e Palma têm contrato, outros poderão manter-se e estão previstos treinos de captação, em princípio a partir da próxima semana.

Por definir está se a equipa será profissional ou amadora, trabalhando, neste último caso, apenas à noite. Estão, entretanto, desbloqueados os problemas que impediam a inscrição de jogadores das camadas jovens."

É este o caminho. Estar uns anos em divisões inferiores para arrumar a casa e criar estruturas e depois subir de forma sustentada e sem favores.

Força farense!

terça-feira, 20 de julho de 2004

Marcelo e Pacheco

Marcelo Rebelo de Sousa e Pacheco Pereira são dois tipos brutalmente inteligentes.

A diferença está na honestidade intelectual.

Pacheco, que nunca foi muito bom a fazer, é excelente a teorizar. Tem ideias próprias e é coerente.

Marcelo é brutalmente inteligente, traquina e não deve perdoar o facto de ser o único do grupo inicial de 3 amigos (ele , Durão e Santana) que não chegou a Primeiro-Ministro. E quando embirra, embirra mesmo. E vai arranjar sempre todos os argumentos para enterrar o Santana.
Concentração de Faro Termina com Saldo Provisório de Dois Mortos e 16 Detidos

"Até às 17h de ontem (18 de Julho) tinham sido contabilizados 12 acidentes, de que resultaram ainda quatro feridos graves e um ligeiro. Foram detidas 16 pessoas (sete por excesso de álcool no sangue, oito por falta de carta de condução e um por desobediência) e feitas 111 contra-ordenações (sobretudo chapas de matrícula adulteradas e uso irregular ou falta de capacete). Foi ainda identificado um cidadão por crime de dano em veículo."

Penso que está mais do que provada a necessidade de a policia estar presente neste evento...


Fonte: Jornal Público

quinta-feira, 15 de julho de 2004

A Concentração de Motos

Começo já por dizer que não aprecio a concentração de motos.

Quero apenas referir a intenção da GNR em fiscalizar o "uso dos capacetes, nas manobras perigosas, nas chapas de matrícula e nos excessos de álcool".

Aquela força policial relembra também "a importância que o cumprimento das regras de trânsito tem na diminuição da sinistralidade rodoviária" e aconselha os participantes na Concentração "a criarem um ambiente rodoviário seguro, através do cumprimento das regras, designadamente o uso de capacetes de protecção, no respeito dos limites de velocidade e a condução sem recurso a manobras perigosas".

No ano passado a actuação eficaz da GNR foi muito criticada porque afastava as pessoas da concentração.
Este "afastar" prende-se com o facto de fiscalizarem as motos e terem-se deparado com motos ilegais, matriculas falsas, motos sem seguro e condutores sem carta.

Se houver um acidente com alguém sem seguro, quem paga? Se alguém sem carta tiver um acidente, quem é responsável?

Penso que esta fiscalização deverá continuar, pois se a lei é para cumprir, nada justifica que a cidade de Faro durante estes dias vire um "FAROESTE".

Fonte: Região-Sul.

quarta-feira, 14 de julho de 2004

Portimonense na II Liga

Devido ao facto de o Salgueiros ter descido à II Divisão B por dívidas, o Portimonense vai ser convidado a disputar a II Liga. Mais no Jornal Record..

Depois do Farense ter inaugurado este tipo de descidas de divisão por dívidas, estava a ver que mais ninguém descia, apesar de todos os clubes se queixarem de dívidas e passarem a vida a pedir favores à Liga.

Pode ser que com mais esta descida os clubes entendam que têm obrigaoriamente de viver de acordo com as suas posses.

Boa sorte Portimonense!
Boa sorte Olhanense!

Que o Farense cumpra rapidamente a sua travessia no deserto e volte a ser o orgulho do Algarve!
Chamar "de Direita" não ofende!

A esquerda, trinta anos depois do 25 de Abril, pensa que chamar ao Governo ou a alguém "de direita" é a pior das ofensas.

Ana Gomes, perdoem-me o "fetiche", mas esta mulher faz-me passar dos carretos, avisa que temos o Govero mais à Direita desde o 25 de Abril. São palavras ocas!!! O que quer dizer? Estará a chamar fascistas ao Governo e aos seus apoiantes? Está a dizer que não são democráticos? Que têm menos legitmidade democrática do que ela?

Este chavão continua na moda.

Porque não discutem políticas concretas? Na Seg. Social achamos isto, na Saúde aquilo, etc, etc.

Optam pelo que pensam ser a ofensa fácil.

Da minha parte encantado. Podem continuar.
Secretaria de Estado do Turismo em Faro

Considero positivo.

Esta medida irá reforçar o peso da região neste importante sector, contribuindo para o aumento da massa cinzenta no sector e poderá permitir desenvolver diversas parcerias, com a Univ. Algarve, por exemplo.

Os processos referentes aos diversos licenciamentos poderão ser mais céleres e o facto de o Sec. Estado estar cá poderá mais facilmente sensibilizá-lo para os desafios com que se confronta o Turismo Algarvio.

O "know-how" da região sobre turismo irá também aumentar, devido a todos os técnicos e especialistas do sector que cá virão/residirão.

Temos que encarar este desafio de forma optimista e analisar de que forma nos poderá ser mais benéfico.

terça-feira, 13 de julho de 2004

PSP vigia estacionamento à volta do mercado municipal em Faro

Desde há alguns dias que a PSP de Faro coloca 3 ou 4 agentes à volta do futuro mercado municipal de Faro (onde era o antigo e onde está a ser feito o novo), impedindo que os condutores estacionem nos passeios onde sempre se estacionou e, mesmo, em locais com o símbolo "P", que significa para qualquer um Parque.

Hoje lembrei-me de questionar um agente. Perguntei-lhe se podia estacionar num local abrangido pela área do "P" de parque. Disse-me que não. Repliquei que aquela era uma área de parque,porque tinha um "P". Então ele respondeu: se o agente diz que não pode, é porque não pode!

Segui viagem... felizmente tenho parque no meu local de trabalho... era só para o pôr à prova...

P.S. - Desde há cerca de um mês que foi inaugurado um parque de estacionamento na cave do futuro mercado municipal, vulgo praça, e como parece que tem poucos clientes, a PSP, certamente por indicação de alguém, deu ordem para que a PSP não deixe ninguém estacionar à volta da praça de forma a que todos vão gastar dinheiro no novo parque pago.
Estranha-se que numa cidade onde se cometem as maiores atrocidades em termos de estacionamento a policia apenas se preocupe com uma zona específica.... logo aquela onde há um parque pago.... impedindo até de estacionar em locais permitidos com o tal "P".

Sem palavras...
O mau exemplo da esquerda

Ferro Rodrigues foi-se embora porque o amigo não lhe fez a vontade.
Ana Gomes, a super histérica dirigente socialista, disse que estava arrependida de ter votado Sampaio porque este não lhe fez a vontade.
Carvalhas ficou indignado porque Sampaio não lhe fez a vontade.

A esquerda considera Sampaio um traidor, porque foi eleito com os seus votos e não lhes fez a vontade.

Esta situação vê-se bem pelo sms que Ana Gomes referiu " a direita já tem o que queria: uma maioria, um governo, um presidente".

A esquerda vê o Presidente da República como alguém permanentemente em dívida para com a facção que o elegeu. Não vê o PR como Presidente de todos os Portugueses. Seria o PR da esquerda.

Esta visão distorcida da democracia surpreendeu-me.

Apesar de não simpatizar com o PR penso que teve a atitude acertada.
Pensou mais no País do que em si, nos amigos e na esquerda.
E não está a usar o segundo mandato para deixar no poder um Governo PS, como fez clara e deliberadamente Mário Soares.

A esquerda, que habitualmente aparece como a guardiã da democracia, desta vez deixou cair o véu e mostrou a profunda arrogância que está na sua essência.
E se Durão Barroso não for eleito Presidente da Comissão Europeia?

É só um cenário pouco previsível, mas..... possível!

quarta-feira, 7 de julho de 2004

À espera de Godot Sampaio

Jorge Sampaio para ser coerente não deverá dissolver a AR.

Por várias razões:
- Fez tudo o que lhe era possível para o PS formar novo Governo em Dez.2001, apesar de ser um governo desgastado e sem maioria parlamentar. O PSD apresenta-se com maioria parlamentar graças à coligação com o PP e muito mais pujante do que estava o PS em Dez.2001

- Com eleições em Outubro, o novo Governo só deverá tomar posse em Novembro. Numa altura em que a retoma dá os primeiros passos, será positivo estar de Julho a Novembro (5 meses) com Governo de gestão?

- O PSD e o CDS vão ser julgados pelo que fizeram em 2 anos, quando têm um projecto para quatro que querem levar até ao fim?

- Não me lembro de o Presidente ter ouvido tanta gente, alguns vindos directamente do Museu, aquando da crise de Dez.2001. Terá agora mais dúvidas... ou falta de argumentos?

- Ele não abandonou a CM Lisboa para ser PR e não deixou lá o João Soares, que não tinha sido eleito como nº1?

- E se as eleições derem uma vitória ao PS+BE ou ao PSD+CDS sem maioria não ficamos numa situação bastante pior?

- Com o orçamento 2005 a ser aprovado em Março/Abril os aumentos dos funcionários públicos serão em Junho.....

Vamos ver... atentamente...
Voltei

Tenho alturas em que não blogo. Excesso de trabalho, fraca motivação ou falta de assunto.
Agora voltei.

quarta-feira, 28 de abril de 2004

A Grande Área Metropolitana do Algarve já deu os primeiros passos....

No passado dia 26 do corrente deu-se a votação para eleger os 47 membros da Assembleia Metropolitana do Algarve.
O Dr. Gomes Ferreira (Presidente da Ass. Municipal de Faro, Presidente do SC Farense e da Farense, SAD)será o Presidente deste órgão.
Para que fique na história, eis os nomes dos restantes 46 membros:
Carlos Eduardo da Silva e Sousa (Albufeira), Paulo Correia Pina (Alcoutim), António Guerreiro Lopes (Aljezur), José Afonso Gomes (Castro Marim), Joaquim Cabrita (Lagoa), João Lima Cascada (Lagos), Patinha Antão (Loulé), Fernando Reis Luís (Monchique), António Pina (Olhão), Luís Carito (Portimão), José Correia Martins (S. Brás de Alportel), Maria José da Encarnação (Silves), António Brito de Carvalho (Tavira), Henrique Duarte Pinheiro (Vila do Bispo), David Vasques Silva (VRSA), Abílio da Encarnação (Alcoutim), António Martins Pereira (Castro Marim), António Nunes Gonçalves (Castro Marim), Carlos Alberto (Faro), Carlos Correia Almeida (Monchique), Clemente Luís Bentes Camarinha (Lagoa), Eduardo Almeida Santana (Lagos), Fernando António Várzea (Monchique), Fernando Anastácio (Albufeira), Francisco Xavier (Alcoutim), Francisco Calhau (Albufeira), Gilberto de Sousa (Loulé), Ivo Pereira Campos (Portimão), João de Sousa (Olhão), João Branco Vieira (Portimão), Falcão Marques (Faro), João da Silva Bentes (Olhão), Jorge Nascimento Botelho (Tavira), José dos Santos Luís (VRSA), Josélia Gonçalves (S. Brás de Alportel), Lisete Romão (Silves), Luís Filipe Madeira (Loulé), Luís Pacheco (Vila do Bispo), Maria Antunes (Aljezur), Maria Ferreira Nunes (Lagoa), Rosa Maria Rocha (Aljezur), Rui Rocha Horta (Tavira), Tomás da Costa Nunes (S. Brás de Alportel), Eurico Antunes (Assembleia Municipal de Faro), José Correia da Cruz (Ass. Municipal de VRSA), José da Glória Freire (Ass. Municipal de Lagos), Rui de Jesus Sacramento (Ass. Municipal de Portimão) e João Gonçalves Estevens (Ass. Municipal de Silves).

Votos de um excelente trabalho em favor do Algarve.

Fonte: Região-Sul
www.blogosfera-algarvia.com

O Jornal Região-Sul publica hoje na sua edição on-line um interessante artigo sobre os blog's algarvios.
Veja aqui!

quarta-feira, 21 de abril de 2004

Apito Dourado

Vamos ver se todo este processo tem bases sólidas ou se é só uma forma de o poder judicial passar a poder dizer que já investigou o futebol e que todo o fumo de corrupção que existe há anos não passa disso mesmo.

Só uma coisa me faz confusão: onde andam Pinto da Costa e Pimenta Machado?
A Masculinização do Partido Socialista

Tenho vindo a reparar na progressiva queda da rosa como símbolo do PS e na reabilitação do antigo punho, caído em desuso aquando do consulado Guterrista.
Guterres quis disfarçar que o PS era de esquerda arranjando um símbolo suave, feminino, uma linda rosinha.
Com o PS a voltar aos tempos da velha esquerda, a rosinha caiu e voltou em força o velho punho fechado, talvez como forma de fazer forte uma fraca liderança.
A ver vamos...

segunda-feira, 12 de abril de 2004

Farense mais longe da manutenção...

Derrota fora perante o Sporting-B (3-2) e lá foi o Farense para o 18º lugar (em 20), a 6 pontos do 16º, quando faltam apenas 6 jogos.

Temos que continuar a acreditar... até ao fim!
Fim-de-Semana na Zambujeira do Mar

De sexta-feira a Domingo fui para um turismo rural perto da Zambujeira do Mar (Monte da Alcaria do Clemente -São Teotónio - Odemira).

Monte da Alcaria do Clemente

E aproveitei para tirar umas belas fotografias da Zambujeira do Mar...


Zambujeira do Mar
Zambujeira do Mar
Zambujeira do Mar
Zambujeira do Mar
Zambujeira do Mar
Zambujeira do Mar

... e do Cabo Sardão

Cabo Sardão


Um excelente fim-de-semana pascal, com muito perceve, choquinhos, lulinhas, feijoada de buzinas, branquinho bem gelado, etc.
Que belo País temos nós!!!!

quarta-feira, 7 de abril de 2004

A GAMAL (Grande Área Metropolitana do Algarve)

Não gosto deste nome. Lembra gamanço. Gamanço do Algarve. Mas, penso que se manterá o nome AMAL, até porque tudo o que a AMAL tem passará para a nova GAM.

Depois de alguma discussão, que deveria ter sido maior e mais participada (penso que no Algarve se discutiu mais nos blogs do que por partidos, associações, etc), de um processo negocial entre PSD e PS que culminou com um modelo adaptado (com o que de melhor têm a GAM e a Com. Intermunicipal), da birra do PCP em não integrar a lista (que desconheço como ficou resolvida) e da aprovação da GAM pelas 16 Assembleias Municipais, falta agora definir as competências destas novas entidades.

Com efeito, a lei 10/2003 que cria as GAM refere as suas atribuições genéricas, ficando a efectiva transferência de atribuições dependente de protocolo a estabelecer com o Governo, onde serão definidos custos padrão (para que haja uma despesa semelhante para uma tarefa semlhante em todo o País). Falta agora definir quais as áreas que nos interessam e para as quais temos capacidade. Não baste interesse sem capacidade, e vice versa.
Só nos interessam as áreas em que a GAM possa ser mais eficiente do que os municípios e do que a Admnistração Central.
E interessa analisar a capacidade da GAM para actuar em diferentes áreas. Terá uma GAM no Algarve capacidade técnica para "tocar" todas as áreas previstas na referida lei? Se pretender ficar com todas elas não poderá passar a ser uma super-estrutura gorda e pouco hábil, uma vez que precisará de muitos meios humanos e financeiros? E teremos um know-how de elevado nível em todas elas?

Penso que esta análise é crucial para que daqui a 5 anos se possa dizer que a GAM foi um sucesso. Só interessa as áreas em que formos capazes e que seja melhor feito do que já se faz hoje em dia...

Entretanto, no passado dia 25 de Março participei num debate sobre as GAM organziado pelo execelente jornalista João Pridência para o Jornal do Algarve com o Hugo Nunes (PS) e Sérgio Martins (PCP) bastante interessante e civilizado. Foi publicado no dia 1 de Abril, mas não foi mentira.... Poderão vê-lo aqui!
De volta....

Mais de um mês sem blogar.... muito trabalho e ... alguma preguiça....

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2004

Bomba de Gasolina para o SC Farense aprovada

Finalmente o Farense vai ter a sua bomba de gasolina e a zona uma área bonita e arborizada. Após o chumbo de Julho passado, devido aos votos contra do PS e CDU, o PS alterou a sua posição e votou favoravelmente.
O PS, felizmente, deu uma cambalhota, deu o dito por não dito, e lá aprovou a bomba. Afirmou que este projecto é muito diferente do anterior, que o anterior parecer jurídico era insuficiente, que houve falta de diálogo por parte do Presidente da Câmara, etc. Tudo argumentos de somenos quando estava em causa salvar o clube da cidade, um filho de Faro. Enfim, não podia mudar a sua posição 180º sem dizerem qualquer coisa para tentarem não perder a face. Não conseguiram!

O Dr. José Vitorino esteve imparável. Apresentou o projecto sem atacar ninguém. A seguir vieram os ataques infundados do PS (tentativa de não ficaram mal na fotografia!) e os pré-históricos da CDU.
O dr. Vitorino voltou a falar e disse que não iria resoponder aos ataques injustificados da oposição pois o Farense estava acima disso tudo.
No final, houve uns moradores que disseram que estavam contra e que iriam promover uma providência cautelar. O Dr. Vitorno, ai, arrasou. Rebateu todos os argumentos com uma grande serenidade, escolhendo a palavra certa para a altura exacta. Deu um espectáculo como não via há muito...

Agora resta ao SC Farense nas eleições de Junho arranjar uma direcção credível que seja capaz de gerir os destinos do clube de forma equilibrada, aproveitando esta verba para começar um projecto que leve o SC Farense a uma situação económico-financeira equilibrada. Idem para a SAD Farense.

O Farense não pode desperdiçar esta oportunidade, pois certamente não se repetirá. A fiscalização terá que ser eficaz e controlar possíveis comportamentos despesistas. A ver vamos...

Viva o SC Farense! Viva Faro!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2004

Faz hoje dois meses....

Que estou na lista de espera do Hospital de Faro para fazer uma artroscopia ao joelho.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2004

Portugal-Inglaterra: fraca organização

Soube por intermédio de um amigo meu que se podia reservar bilhetes até ao fim do dia 2 de Janeiro. Eram 16.15h. Até às 17.30h contactei a Associação de Futebol do Algarve (AFA) para me enviarem o impresso de reserva por fax e a perguntar se aquele era o último dia para fazer reservas. Disserem-me que sim.
Reenviei o impresso a alguns amigos. Pelas 17.15h enviei o meu fax a reservar bilhetes.

Várias vezes liguei para a AFA. Nunca sabiam confirmar se o fax tinha chegado e se estava tudo bem porque eram muitos.

Finalmente fui buscar os meus bilhetes e tudo correu bem. Comigo....
Um amigo meu que enviou o fax de reserva no dia 2 de Janeiro vai ficar sem bilhetes. Disseram-lhe que o fax não chegou e ele com o comprovativo do envio na mão! Disse-lhe para reclamar e se não der nad apara ir à TVI....
Quando fui buscar os meus bilhetes apercebi-me de outras situações:
- uma pessoa que tinha pedido x bilhetes e agora tinha x-y, quando tinham garantido que o nº de bilhetes das reservas estava garantido;
- uma pessoa que pediu 4 bilhetes e estavam todos separados;

Entretanto não avisaram ninguém que o pagamento só podia ser feito em dinheiro.... vivo. Eu e outros tivémos que perder o lugar na fila para irmos ao multibanco mais próximo...

Enfim, para já não têm estaleca para um evento destes.... vá lá que os bilhetes do Euro 2004 são vendidos via internet...

terça-feira, 3 de fevereiro de 2004

As Formas de Associação dos Municípios no Algarve

No passado dia 24 deu-se um colóquio sobre esta questão, realizado pela AMAL.
Deu para ver que PS e PSD defendem uma única entidade para a região, mas divergem quanto ao modelo a adoptar. O PS defende uma Grande Área Metroplotina e parte do PSD (Dra. Isabel Soares e Eng. Macário Correia, pelo menos) prefere uma Comunidade Inter-Municipal (penso que o PSD Algarve ainda não tem uma posição definida).

Eu defendo duas Comunidades Urbanas, mas dividir o Algarve em dois é um dogma, nem se pode falar nisso. É tipo blasfémia. O Algarve é uno e indivisível. Rei de Portugal e dos Algarves, diziam sobre os Reis.

Se é dos Algarves, é porque existe mais do que um.........

Estou vencido, sem estar convenvido: no final vai ser uma única entidade.

PS e PSD andarem a discutir o tipo de entidade, quando o fundamental está decidido (ser uma entidade para todo o Algarve) parece-me um desperdício inútil de energias.

O PS ganha mais com a Grande Área Metropolitana (tem mais membros nas Assembleias Municipais, ficando com a maioria na Assembleia) e o PSD com a Comunidade Intermunicipal (como a representação é de 2 pessoas por Concelho na Assembleia fica com mais elementos na Assembleia).

E como as leis não têm nenhum enquadramento, andamos a discutir o sisgnificado dos nomes. Ficará bem a Aljezur dizer que pertence a uma Grande Área Metropolitana?
Tirando um membro a mais ou a menos no órgão de gestão e na assembleia, as tipologias são bastante semelhantes.

Entendam-se lá, que a malta agradece...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2004

Até sempre, Féher

Uma fatalidade aos 24 anos.

Até sempre, Miklos!

quinta-feira, 22 de janeiro de 2004

Políticos mal pagos!

Acabei de receber um e-mail com uma parte de um Diário da República onde vem a nomeação de uma jurista para o gabinete do Ministro Marques Mendes. Vai realizar "trabalhos de natureza técnico-jurídica, no âmbito da sua especialidade profissional".
Vai ganhar 3.703,84€ + IVA= 4.407,57€. Cerca de 880 contos brutos.

Há tempos o Dr. Paulo Portas contratou um assessor de imprensa a ganhar cerca de cinco mil euros por mês, ou algo semelhante.

Não questiono estas remunerações, nem a competência das pessoas.

Questiono o pouco que recebem os políticos, que acabam por ser aqueles que metem a cabeça no cadafalso. E no final, ganham quase o mesmo que os seus assessores, que se limitam a executar tarefas técnicas, sem responsabilidades políticas. Não vêm as suas vidas devassadas, não são criticados pelos órgãos de informação, etc.

E estes assessores ganham mais do que os secretários de estado e deputados, ou, pelo menos, andam lá perto.

Qualquer dia quando convidarem alguém para ministro irá responder: "em vez de ministro não posso ser assessor?".

Politicamente este discurso é incorrecto, porque a voz popular diz que os políticos são todos uns malandros e só estão nos cargos para se encherem e ajudar a família.

Este País está um bocado baralhado!!!
Colóquio sobre "As formas de Associação dos Municípios do Algarve"

24 de Janeiro, no Campus da Penha, em Faro. Organização da AMAL.

Vai ser interessante. Vou lá estar!
Mais uma greve à sexta-feira!!!

Estava no quadrante e o Nuno abordou este tema. E é uma questão para reflexão.
Porque razão as greves são quase sempre coladas a um fim-de-semana ou a uma ponte?
Posso estar a ser maldoso, mas que fica muito mal e provoca pensamentos negativos sobre as greves não tenho qualquer espécie de dúvida!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2004

Faz hoje um mês....

Que estou na lista de espera do Hospital de Faro para fazer uma artroscopia ao joelho.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2004

Porquê tanto alarido sobre as reformas dos Funcionários Públicos?-parte II

Se dois trabalhadores descontam valores iguais de IRS e Seg. Social para o Estado, porque razão um vai ter a reforma a 100% aos 60 anos ou quando tiver 36 anos de carreira contributiva e o outro vai ter que esperar pelos 65 anos para ter uma reforma de 80%?

Cada vez há menos pessoas activas para cada reformado e as pessoas vivem mais anos (felizmente!!! não quero que morram cedo para pouparmos dinehiro!), criando-se uma situação insustentável, quer na Seg. Social, quer na Caixa Nacional de Pensões.

Compreendo o desejo de aumentar a % da reforma nos privados e não diminuir a dos públicos, mas os recursos são escassos.
Ameaças ao Dr. José Vitorino

Goste-se ou não do Dr. José Vitorino, ele tem toda a legitimidade democrática para governar.
A comprovarem-se as afirmações que vieram hoje nos órgãos de informação (vi na SIC e no Região-Sul) é muito grave que um autarca seja ameaçado de morte.

A discussão política faz-se com argumentação, ideias novas, propostas mobilizadoras. Não com ameaças.

Sinto que a população de Faro não está contente.
Sei que a capacidade de comunicar da CM Faro aos Farenses deixa muito a desejar. A mensagem não passa. Há sempre alguém que tem uma estória para contar.

Mas, ameaças.... não!
Projecto vialgarve

Já está criado o site do vialgarve, projecto que agrupa as pessoas da ALTERNATIVA e os que já existiam no vialgarve. Cliquem aqui e poderão aceder ao vialgarve.
Mais projectos estão na manga....
Porquê tanto alarido sobre as reformas dos Funcionários Públicos?

Os vários ses:
- se há anos atrás havia 4 funcionários públicos no activo para pagar a reforma de um na reforma;
- se hoje a proporção é de menos de dois no activo para um na reforma;
- se os privados (CIT) têm reforma aos 65 anos e recebem sobre a média de todos os ordenados, devidamente actualizados, porque haveriam os funcionários públicos de ser uma excepção e terem a reforma a 100% e com 36 anos de idade?
- se há trabalhadores com CIT a trabalhar para o Estado (INE, IEFP, IFADAP, etc), porque têm a reforma diferente da dos Funcionários Públicos, sendo o mesmo patrão?

A tendência será o abatimento das benesses dos funcionários públicos, que hoje não se justificam pois já recebem ao nível do sector privado, passando a estar mais próximas dos indivíduos com o CIT.

E os sindicatos queixam-se do quê? Mais uma greve? DA-SE!

sexta-feira, 2 de janeiro de 2004

Casa Pia e o PS

Estranha-se o facto de só aparecerem nomes do PS ligados a este processo.
Não acredito em monategens feitas por outros partidos, mas sim que a defesa esteja a querer desacreditar a investigação, fazendo parecer que se trata de um ataque político.
E que o acusado que pertence ao PS pretenda fazer crer que o facto de ser do PS seja motivo de acusação.

Se no processo há nomes do PSD e do PP que venham a público!