domingo, 15 de agosto de 2004

Ainda a ponte para a Ilha de Faro: o Referendo

LNEC recomendou construção de uma nova ponte
José Vitorino admite fazer um referendo para rever o acesso à Praia de Faro


O presidente da Câmara Municipal de Faro "descobriu ontem" um relatório técnico do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), com data de Março de 2001, que considera a ponte de acesso à Praia de Faro "em elevado estado de degradação" e recomenda a construção de uma nova.

José Vitorino resolveu actuar e, ontem mesmo, enviou um ofício ao comandante do Grupo Territorial da GNR de Faro, onde solicita a implementação de uma deliberação do anterior executivo camarário, de 27 de Março de 2001, - tanto quanto se sabe, nunca cumprida - que proíbe a paragem, "a qualquer título", de automóveis no tabuleiro da ponte e estabelece um "espaçamento mínimo de circulação de 30 metros". De acordo com o LNEC, a ponte tem cerca de 160 metros. Se os militares da GNR tomarem à letra esta deliberação, só poderão circular no tabuleiro da ponte cinco veículos de cada vez. Questionado sobre os problemas que a medida poderá provocar no já difícil e moroso acesso à Praia de Faro, Vitorino justificou-se dizendo que se tratava do "único instrumento disponível para aliviar a pressão sobre o tabuleiro da ponte e assim garantir a segurança das pessoas".

Ainda segundo o parecer do LNEC, "é indispensável manter a actual limitação de circulação a trânsito com peso inferior a 3,5 toneladas". O relatório acrescenta que durante o período da inspecção (26 de Fevereiro de 2001) "este limite não era respeitado, até porque dificulta o abastecimento aos estabelecimentos existentes na Ilha e inviabiliza a passagem de um autotanque do serviço de incêndios".

Hoje, em conferência de imprensa, José Vitorino revelou ter solicitado ao LNEC, com carácter de "urgência, uma nova inspecção". O presidente da CMF pediu também, "desde já", sugestões e recomendações adicionais para garantir a segurança no atravessamento da ponte.

Na sequência deste 'caso', a autarquia pediu à Delegação do Sul do Instituto Portuário dos Transportes Marítimos, "mais uma vez e com uma justificação reforçada, a maior urgência" na reactivação da "ligação por barco, entre a cidade de Faro e a Ilha".

Acesso futuro

Para José Vitorino, estas foram, para já, as diligências possíveis, mas a decisão final sobre o acesso à Ilha de Faro continua em aberto. Há várias hipóteses, mas o presidente da CMF deixou uma garantia: as grandes questões, como a construção de uma nova ponte, ou a criação de parques de estacionamento nas imediações da praia, fazendo-se depois o acesso à Ilha de Faro em transportes públicos, serão sempre decididas "após a audição da população". Segundo José Vitorino, há duas formas de ouvir os farenses: "através de um inquérito, ou, no limite, fazendo-se um referendo".

Rodrigo Burnay

Região-Sul | 13 de Agosto de 2004 | 15:46


Concordo com o referendo. Havendo hipótese de referendar questões locais, penso que este assunto é adequado para sujeitar a referendo.
Sendo a Ilha de Faro uma ilha, ficará bastante melhor se não estiver presa ao continente. As ilhas mexem-se e esta não se pode movimentar porque está presa ao continente através de uma ponte.

Penso que não é necessária uma nova ponte. Basta que a actual, possivelmente depois de algumas reparações que a consolidem mais, sirva só para trânsito restrito (bombeiros, policia, comerciantes) e que as pessoas deixem o carro antes da ponte e depois vão andando.

sábado, 14 de agosto de 2004

Problemas na Ponte para a Ilha de Faro

Câmara Adopta Medidas para Aliviar Pressão em Ponte de Faro
Público, Sábado, 14 de Agosto de 2004

O presidente da Câmara de Faro, José Vitorino, anunciou ontem que na ponte da Ilha de Faro o espaço entre veículos não poderá ser inferior a 30 metros para diminuir a pressão no tabuleiro.

A autarquia vai também solicitar à GNR que acompanhe mais de perto o tráfego da ponte, proibindo a circulação de veículos com peso superior a 3,5 toneladas. Não será também permitida a paragem de veículos sobre o tabuleiro. José Vitorino, citado pela Lusa, reconheceu que a obrigatoriedade de aumento de espaço entre veículos poderá fazer crescer as já longas filas de acesso à ilha, mas sustentou que "a segurança não pode ser sacrificada em nome de qualquer outra comodidade".

As medidas, que segundo o autarca serão accionadas "de imediato", tinham sido recomendadas, em Março de 2001, pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e deliberadas na mesma altura pela autarquia.

O LNEC requeria ainda que a utilização da ponte de acesso à ilha fosse "condicionada e com carácter provisório" e que "na perspectiva do acesso rodoviário à Praia de Faro seria necessária uma nova ponte". Reconhecendo que o relatório do LNEC lhe causa alguma inquietude, o presidente da Câmara de Faro assevera que não há motivos para alarmismos. "Não há anomalias graves de registo, nem grandes fracturas" e "todos os pilares estão cravados no solo", afirmou. A ponte de acesso à Ilha de Faro tem 160 metros de cumprimento, o tabuleiro da ponte mede quatro metros de largura e contam-se 142 pilares fixados no solo.



Por mim cortava o acesso à praia para os carros e apenas permitia que as pessoas atravessassem a ponte.
E se possível, destruia todas as casas que lá estão. Deixava um parque de campismo (um novo....) maior do que o actual, alguns restaurantes, cafés e seupermercados. O resto ia tudo abaixo.
Mas isto nunca irá acontecer. Primeiro a ilha afunda... depois logo pensam nestas coisas....

sexta-feira, 13 de agosto de 2004

As explicações para o desastre

José Romão (JR)
JR-É evidente que quando se perde é porque houve factores que não correram bem.
Factores que não correram bem???? A chamada desgraça...

JR-Foi um jogo em que cometemos alguns erros, temos de reconhecer.
Alguns??!!!! Dezenas, centenas?

JR-O adversário também esteve bem, mas não podemos dizer que nos surpreendeu. Nós estávamos à espera deste Iraque. Estudámos bem o adversário mas isso nem sempre chega.
Se estava à espera deste Iraque então ainda é pior do que pensava.

JR-A nossa selecção não entrou com o pé direito e isso tem de ser admitido.
A nossa selecção esteve lá?

JR-A história do jogo diz que o Iraque fez uma boa transposição para o contra-ataque e o ataque rápido, no fundo no seguimento do que fizera na Taça da Ásia.
Transposição? será que este tipo já foi ao dicionário para entender o que diz?

transposição - substantivo feminino
· acto ou efeito de transpor (verbo transitivo-passar além ou por cima de; saltar; galgar; ultrapassar; exceder; alterar a ordem de)
· troca de dois objectos entre si;
· alteração da ordem;
· transferência;

Os Iraquianos saltavam, galgavam ou excediam para o ataque? Trocavam objectos? Alteravam a ordem? Faziam transferências?

Que bronco!

JR-Causou-nos alguns problemas em termos da sua estrutura, o que, aliado aos nossos erros, resultou nesta derrota.
Alguns??? Problema na estrutura? QUe língua é esta??!!

JR-Houve uma falta de inspiração de Portugal. No intervalo fizemos as correcções que entendíamos pela leitura do jogo. Mas é verdade é que ficámos logo com menos um jogador e aí as coisas alteraram-se totalmente. Ainda assim, lutámos até ao fim, demonstrando carácter."
O que importa é ter carácter.... atira-te ao mar, JR!

Esperemos para ver a parte dois desta saga olímpica...Domingo.... Contra Marrocos...
Olímpica Vergonha

É uma vergonha perder 4-2 com o Iraque em futebol. Um país em guerra.
A nossa exibição foi um desastre. Penso que apenas se safaram o Moreira, Meira, Ronaldo e Danny. Bruno Alves, Jorge Ribeiro, Frechaut, Hugo Viana e Boa-Morte foram uma desgraça terrível...
A equipa de arbitragem roubou-nos um penalti e fez borrada o jogo todo. Foras de jogo não acertaram quase nenhum. Os árbitros de países com futebol menos competitivo deverão enviar árbitros para estas competições apenas se tiverem nível (tipo conseguirem os minímos olímpicos como os atletas). Assim, estragam a festa.
Comportamento anti-desportivo da nossa equipa. Ronaldo deveria ter sido expulso e Boa-Morte, com a sua atitude, prejudicou muito a selecção.
A Grécia fica na Europa do Sul. Não há desculpa de grandes fusos horários, nem de um clima muito diferente do nosso...
Entrámos como no Europeu, como vedetas que facilmente iriam ganhar a um País em guerra.
A preparação para estes Jogos Olímpicos, devido às pressões dos clubes e ao facto de a FPF ser fraca e o Madail um banana, foi muito curta. Treinaram para ai uma semana e lá foram eles em excursão.
Estou ansioso por ir ler os jornais desportivos e ver os comentários banais e ocos que certamente justificarão a derrota.

quinta-feira, 12 de agosto de 2004

Editorial do jornal Público de Hoje

O Algarve
Quinta-feira, 12 de Agosto de 2004

O Algarve era uma jóia, hoje é quase todo ele um pesadelo a que só se escapa fechado nalguns, raros, paraísos protegidos

Há sensivelmente vinte anos fiz para o "Expresso" uma reportagem com o seguinte título: "O Algarve à beira da catástrofe". No sábado em que saiu fui insultado pelo então governador civil, de seu nome Cabrita Neto.

De que é que falava esse artigo? Do excesso de ocupação do Algarve. Das praias poluídas onde era perigoso tomar banho. Da megalomania dos projectos de construção que esperavam aprovação. Dos riscos da Nacional 125. Da aposta exclusiva no binómio sol e praia, sem que outras alternativas fossem oferecidas. Das arribas que ameaçam ruir e das construções em dunas que poderiam ser submersas pelo mar.

Nestes vinte anos quase tudo piorou. Algumas praias, apesar dos muitos milhões que se gastou em tratamento de esgotos, continuam a estar poluídas, como a da Quarteira. Os projectos que aguardavam luz verde para avançar, avançaram quase todos e outros se lhes sucederam. Os índices de ocupação tornaram-se irrespiráveis em quase todo o litoral. E os preços subiram e continuam a subir. Aqui e além há excepções e até alguns pequenos paraísos, as vias de comunicação melhoraram e já há restaurantes que oferecem qualidade e não apenas preços altos, mas a receita fundamental continua a ser a mesma: sol e praia, apimentada com algum golfe e mais umas marinas.

Por isso não me surpreende aquilo de que hoje se queixa o governador civil de então, entretanto transfigurado em líder do sector hoteleiro: as coisas estão mal, os índices de ocupação são baixos, há indicadores de... catástrofe anunciada.

Infelizmente quem que me atacava há vinte anos dá-me hoje razão - mas sem reconhecer que a catástrofe tem responsáveis, entre os quais ele próprio. A região encheu-se de hotéis, alguns deles de luxo, esperando por turistas endinheirados, mas quase só recebe vagas de ingleses tatuados que partem mal ganham pele cor de lagosta. Nos hotéis, onde os índices de ocupação baixam, estão mais portugueses e menos estrangeiros. Serve-se mal na maior parte dos estabelecimentos de restauração e abusa-se nos preços. A ganância ainda é a regra, o desordenamento territorial a imagem de marca e os serviços insuficientes (designadamente os de saúde, com crónicos problemas nos hospitais da região).

Por outras palavras: o Algarve não percebeu que, com a mudança dos destinos turísticos e com o aparecimento de viajantes mais exigentes, o seu sol abundante e a suas bonitas praias não chegavam. Que há ofertas iguais ou melhores em destinos tropicais por preços idênticos ou até mais acessíveis. E como não percebeu nem resistiu à tentação de ocupar cada milímetro de solo para construir, o Algarve está a perder os turistas estrangeiros e a ficar com os nacionais, sobretudo os que se empenharam numa casinha ou num apartamento. E contam os tostões.

Há vinte anos, nessa reportagem, os especialistas apenas identificavam algumas áreas onde os exageros já tinham levado ao ponto de não-retorno, à impossível requalificação, como Quarteira, Armação de Pêra ou a Praia da Rocha. Hoje estou convencido que concordariam em que toda a região, apesar das suas imensas potencialidades, já as desbaratou, e que se arrisca a viver cada ano pior do que o anterior, com mais queixas, menos turistas e menos qualidade. Por culpa própria e dos seus autarcas e investidores.

José Manuel Fernandes

Fonte: Público

Quando estes artigos são publicados em jornais de grande tiragem têm sempre impacto pois é o País todo que está a ler.
Infelizmente penso que tem razão e que os nossos líderes regionais (políticos, empresariais, associativos, etc) não tiveram visão nenhuma e deixaram-se influenciar pelo curto prazo e, alguns, talvez por outras coisitas...

quarta-feira, 11 de agosto de 2004

SLB-1 Anderlecht-0 : Muita parra, pouca uva

Típico jogo de início de época, com muita entrega e pouco futebol.
O Benfica dominou a maior parte do jogo, mas até podia ter perdido o jogo...
Enfim, na Bélgica, com mais dias de treino e mais um jogo pelo meio deverá correr melhor. Até porque o Benfica se dá bem em contra-ataque.
No Público de hoje....

"José Vitorino, antigo vice-presidente da bancada parlamentar do CDS-PP, lembrou que" no jornal Público.

O José Vitorino chegou a se candidato pelas listas do CDS a deputado, mas não foi eleito. Daí a ser vice da bancada parlamentar...

Grande prego jornalista Maria José Oliveira!

sexta-feira, 6 de agosto de 2004

Largo de S. Luís vai ser arranjado

Autarquia vai criar "área edificada afecta a actividades económicas" para "assegurar a gestão" do estádio do Farense

A Câmara Municipal de Faro vai requalificar o Largo de S. Luís, naquela cidade.

De acordo com Projecto Urbano aprovado pela autarquia, vão ser criados "lugares de estacionamento ao nível do subsolo" e a fachada do estádio de futebol, confinante com o Largo, vai ser arranjada, "promovendo a criação de uma área edificada afecta a actividades económicas, por forma a assegurar, de forma sustentada, a gestão e o funcionamento do complexo desportivo".

O executivo promete ainda "promover a requalificação do espaço público devolvendo-o aos peões e dignificando a Igreja de S. Luís".

Outra das propostas do Projecto Urbano consiste em "harmonizar as cérceas praticadas nas frentes urbanas confinantes com Largo de S. Luís, por forma a reequilibrar as volumetrias e contribuir para a melhoria da imagem do conjunto".

A Câmara de Faro vai ainda "reordenar a circulação automóvel no Largo" e "vincular os particulares a regras mais pormenorizadas e mais adequadas ao contexto urbano do sítio, em complemento das definições do Plano Director Municipal".

O Projecto aprovado pela autarquia esteve em "Discussão Pública" durante 60 dias e será agora enviado para a Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano.

RB/RS

6 de Agosto de 2004 | 14:47

in Região-Sul

Desta forma o SC Farense irá poder efectuar alguma construção e criar um parque de estacionamento debaixo do relvado.
Mais uma medida da autarquia para ver se o clube se consegue reequilibrar financeiramente.
Pequenos pormenores no Portugal-Paraguai

Tudo bem que o Algarve é uma região turística, com muitos estrangeiros, mas penso que deveremos contnuar a escrever em Português...

Portugal-5 Paraguay-0 mostrava o placard no final do jogo.... E que tal Paraguai?

IN e OUT: sempre que havia uma substituição... proponho Entra e Sai ou Entrada e Saida.

No painel do estádio faltavam algumas fotos dos jogadores Portugueses. Numa rápida pesquisa na net conseguiam-nas....

Contei perto do relvado 40 seguranças!!! Somando mais os restantes que estavam nas entradas e no "miolo" do estádio deveriam ser uns 60. Mais uns cinquenta policias que estavam na parte de fora. Tanta segurança para um jogo particular com o Paraguai?!!! Era um jogo de elevado risco?

Este modelo do Euro-2004 serviu para .. o Euro! Para a nossa realidade é excessivo do ponto de vista do risco real e do ponto de vista dos custos...
Com bilhetes a 10 euros, imaginemos que houve 5.000 pagantes. Receita de bilheteira igual a 50.000 euros. De quanto terá sido o prejuizo?

Refira-se a fraca divulgação do jogo a cargo da Associação de Futebol do Algarve.

Acabei de ver um notícia no Jornal Record:

UMA ÚNICA BILHETEIRA ABERTA
Longa fila gera grande revolta

Cerca de duas mil pessoas abandonaram ontem a extensa fila
que se formou junto à única (!) bilheteira aberta no Estádio Algarve, face à impossibilidade de, em tempo útil, acederem ao interior do recinto, com os mais resistentes a entrarem... ao intervalo.

A situação, de todo inexplicável, levou mesmo à revolta de alguns dos interessados em comprar ingressos. "É um escândalo! Depois do Euro'2004 voltamos à pequenez de sempre... Para a bilheteira só há um funcionário mas seguranças são às dezenas...", lamentava-se Carlos Martins, de Lisboa, em férias no Algarve.

Data: Quinta-Feira, 5 de Agosto de 2004 02:36:00

De quem é a responsabilidade?
Portugal-Paraguai

Uma estória divertida: fui ver o Portugal-Paraguai. Como os parques estavam cheios e o carro teria que ficar muito longe do estádio, o meu pai tentou pôr o carro num parque mais parto, mas que estava guardado por seguranças. O segurança aproximou-se com cara de mau. E eu disse-lhe: "será que dava para pôr o carro ai nesse parque... é que estou de canadianas." Viu a canadiana e respondeu de pronto: Sim, é deficiente pode estacionar!!!

Um gajo com uma canadiana é...deficente!!!!
Unidade de Radioterapia o Algarve

Segundo o Comunicado do Conselho de Ministros de 30 de Julho de 2004, a unidade de radioterapia de Faro irá entrar em funcionamento no 1.º trimestre de 2005.

Eis um acontecimento de extrema importância para o Algarve.