sábado, 27 de novembro de 2004

Políticos competentes vs. políticos incompetentes-2

Penso que o artigo do Prof. Cavaco é uma autêntica pedrada no charco e vem demonstrar que o reu vai nu.

A pergunta para referendar é um aborto político!
"Concorda com a carta de direitos fundamentais, a regra das votações por maioria qualificada e o novo quadro institucional da União Europeia nos termos constantes da Constituição para a Europa?"

Esta pergunta só pode ter sido feita de forma a fazer com que as pessoas não votem e, caso o façam, não o façam em consciência.

Esta questão não foi feita por politicos competentes!

O cidadão vulgar fala mal dos partidos. Que só usam a política para se encherem. Que são só jogadas. Enfim, o normal.

E quando se convida alguém para participar activamente na política, a reacção é idêntica a convidar alguém para ir lutar na lama!
As pessoas estão descrentes na política e estão amorfas em relação a tudo o resto. Podiam-se interessar pela intervenção cívica, pela intervenção cultural ou desportiva. NADA!
Quanto mais não vale o sofazito a seguir ao trabalho!

As elites não se interessam. Penso que os ordenados dos políticos deveriam ser todos duplicados, mas mesmo assim quem para lá fosse seria pelo ordenado, não pelo orgulho de contribuir para a coisa pública!

E as democracias internas dos partidos também são uma coisa gira...

Obrigado Professor pelo excelente alerta!
Políticos competentes vs. políticos incompetentes

Vou transcrever na integra o artigo publicado pelo Prof. Cavaco Silva no Expresso de hoje:

Os políticos e a lei de Gresham

NOS anos recentes, muito se tem falado de uma certa degradação da qualidade dos agentes políticos em Portugal, da sua credibilidade, competência e capacidade para conduzir os destinos do país. Independentemente de ser de facto assim, o certo é que há hoje uma forte percepção da parte da opinião pública de que, em geral, a qualidade dos agentes políticos tem vindo a baixar.

Para isso tem contribuído, entre outros factores, o afastamento crescente das elites profissionais, dos quadros técnicos qualificados da vida político-partidária activa. Os políticos profissionais de valor, com uma carreira seriamente estruturada, ficam, assim, mais mal acompanhados.

Num documento da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES), de Fevereiro de 2002, falava-se da «centrifugação de alguns dos melhores valores do pessoal político e da gestão superior do Estado e incapacidade de atrair novos valores, nomeadamente entre os mais jovens» como um dos sinais preocupantes da deterioração do nosso sistema político.

Três razões podem ser avançadas para explicar a atitude de afastamento das elites profissionais da vida político-partidária.

Por um lado, a sua convicção de que, fazendo Portugal parte da União Europeia, não há risco de retrocesso do regime democrático de tipo ocidental em que vivemos.
Por outro, o convencimento das elites de que a participação activa na actividade política tem custos elevados - custos materiais e de exposição pública - e de que podem influenciar as decisões políticas de outra forma - através de contactos pessoais, associações ou corporações de interesses.

Mas talvez a razão mais forte do afastamento das elites resida na ideia de que, nos dias de hoje, o mercado político-partidário não é concorrencial e transparente, de que existem barreiras à entrada de novos actores, de que não são os melhores que vencem porque os aparelhos partidários instalados e os oportunistas demagógicos não olham a meios para garantir a sua sobrevivência nas esferas do poder.

A ser assim, a lei da economia, conhecida pela lei de Gresham, poderia ser transposta para a vida partidária portuguesa com o seguinte enunciado: os agentes políticos incompetentes afastam os competentes. Segundo a lei de Gresham a má moeda expulsa a boa moeda.

O afastamento das elites profissionais (e também das elites culturais) da vida político-partidária, ao contribuir para a deterioração da qualidade dos agentes políticos, prejudica a credibilidade das instituições democráticas e a ética de serviço público, aumenta os erros dos decisores políticos face aos objectivos de bem-estar social definidos e favorece os comportamentos políticos em função de interesses particulares ou partidários, em lugar do interesse nacional. Daqui resulta menos desenvolvimento e modernização do país, mais injustiças sociais e maior desencanto dos cidadãos em relação à democracia.

Já em Outubro de 2001, num documento divulgado pela Associação Empresarial de Portugal, se manifestava preocupação pelos custos da «mediocridade na actividade política».

Sendo assim, uma questão que tenderá a assumir relevância crescente para a qualidade da nossa democracia e para o desenvolvimento e modernização do país será a de como trazer de volta à vida político-partidária pessoas qualificadas, dispostas a servir honestamente a comunidade. Nesse sentido, interessaria desenvolver acções visando o reforço da transparência e democraticidade na actividade partidária, o aprofundamento da educação para a cidadania activa e a melhoria da informação sobre a actuação dos agentes políticos. Tal como interessaria promover debates sérios e aprofundados sobre as políticas públicas e ter a coragem de aumentar a remuneração dos agentes políticos, por forma a atrair quadros de reconhecido valor e que vivem dos rendimentos do trabalho.

Se nada for feito, é provável que a situação continue a degradar-se e só se inverta quando se tornar claro que o país se aproxima de uma crise grave. Então, algumas elites poderão chegar à conclusão de que está em causa o seu próprio futuro e dos seus familiares e que os custos de alheamento da actividade político-partidária são maiores dos que os custos de participação. Mesmo assim, haverá que contar com a resistência à mudança dos aparelhos partidários instalados, o que pode levar ao arrastamento da situação.

Do ponto de vista nacional, seria desejável que o país não descesse até ao ponto de crise e que a inversão da tendência ocorresse o mais cedo possível.

Face aos sinais preocupantes que têm vindo a emergir nos mais variados domínios, do sistema educativo ao sistema de justiça, da administração pública à economia, penso que é chegado o momento de difundir na sociedade portuguesa um grito de alarme sobre as consequências da tendência para a degradação da qualidade dos agentes políticos, de modo a que os portugueses adoptem uma atitude mais participativa e exigente nas suas escolhas eleitorais e as elites profissionais acordem e saiam da posição, aparentemente cómoda, de críticos da mediocridade dos políticos e das suas decisões e aceitem contribuir para a regeneração da actividade política.

Por interesse próprio e também por dever patriótico, cabe às elites profissionais contribuírem para afastar da vida partidária portuguesa a sugestão da lei de Gresham, isto é, contribuírem para que os políticos competentes possam afastar os incompetentes.

Recordo que Portugal, desde 2001, tem vindo sistematicamente a afastar-se do nível de desenvolvimento da vizinha Espanha e da média da Europa dos quinze e que esta tendência irá manter-se no futuro, de acordo com as previsões para 2005-06 recentemente publicadas pela Comissão Europeia. Até quando?

Aníbal Cavaco Silva
O novo PSD Algarve

Glória aos vencedores, honra aos vencidos.

O Dr. Mendes Bota terá que conseguir unir o partido em torno dos grandes desafios que vai ter pela frente, em especial das eleições autarquicas.
Uma derrota nas autarquicas dificulta a prestação do Prof. Cavaco Silva nas presidenciais e do Dr. Santana Lopes nas legislativas.

As autarquicas só se ganham com o partido unido, como todos os dirigentes e militantes a remarem para o mesmo lado.

Aguardo pelos primeiros passos neste sentido e espero pela primeira Assembleia Distrital...

segunda-feira, 22 de novembro de 2004

As eleições para o PSD Algarve-parte II

Não gostei de ataques cobardes, feitos de forma anónima, a diversos companheiros (Nuno Silva, Carlos Martins, etc).

Não gostei que tivesse havido pouca discussão política e muita discussão de pessoas.

Não gostei das intrigas, mexericos e outros que tal que se puderam ler no almariado.

Gostei da postura do Fernando Viegas no seu almariado, retirou todos os comentários anónimos que enxovalhavam terceiros e apelou à dignidade dos "comentadores de posts".

Gostei da agitação que estas eleições deu ao partido.

Espero tempos de união e não de exclusão.
As eleições para o PSD Algarve

Apoiei a lista B e, como tal, perdi.

Parabéns a todos os membros da Lista A, encabeçada pelo Dr. Mendes Bota, pela sua vitória.

No entanto, não compreendi o discurso de vitória.
Segundo o Região-Sul:
"Mendes Bota não deixou de enviar "uma palavra de simpatia" aos "grandes derrotados" deste sufrágio, que citou, "por ordem decrescente de importância: o secretário-geral do PSD, Miguel Relvas, o vice-presidente, José Luís Arnaut, Carlos Martins, Patinha Antão, Helder Martins e, naturalmente, Isabel Soares". Estes "pesos-pesados" foram "responsáveis pela estratégia" da Lista B, "deram a cara, subscreveram cartas e manifestos aos militantes, assumiram posições inequívocas".

"Sentimos todos na pele o aparelho do partido a lutar contra nós", disse o político "laranja", deixando no ar "uma interminável série de episódios" que não quis lembrar, com origem em "dirigentes nacionais e membros do Governo", que, no seu entender, "violaram alguns deveres de neutralidade". Mas, sublinhou, Santana Lopes - alvo de fortes elogios -, "não teve nada que ver com actividades ou iniciativas por parte de pessoas externas ao Algarve que procuraram influenciar o resultado desta eleição".


Penso que o partido no dia seguinte deveria estar unido para combater os outros partidos políticos. Não a espicaçar quem perdeu (esquencendo-se cirutgicamente de alguns...) e, muito menos, o Dr. Miguel Relvas e o Dr. Arnaut.

Que estranha forma de tentar a união...